Imprensa

Culinária afrobrasileira em destaque no II Gongá Cultural
Organizado por alunos e professores da Estácio FIB, em parceria com o CEAO e o Ajeum da Diáspora, evento faz parte das comemorações do mês da consciência negra
 
A história de empreendedoras de sucesso, que contribuem para a valorização da cultura e da culinária afrobrasileiras, é o destaque da mesa-redonda “Lyais Idana: Mulheres na Cozinha”, que acontece hoje, das 18h30 às 21h, no II Gongá Cultural, no Auditório G4, da Estácio FIB, no STIEP.

Os debates serão conduzidos por Joana Angélica, idealizadora do restaurante Ajeum da Diáspora; Ana Célia, chef de cozinha africana do restaurante Zanzibar, e pela empresária e cozinheira Alaíde da Conceição, proprietária do restaurante Alaíde do Feijão. As baianas de acarajé Rosangela Amorim (Abará da Ró), Cida de Nanã, Mãe Val e Maria Clara também conduzem a discussão, destacando a contribuição dessa categoria para a memória e a cultura da Bahia.

Aberto ao público, o II Gongá Cultural é realizado pelos alunos e professores do Centro Universitário, em parceria com o Centro de Estudos Afro Orientais (CEAO) e o Ajeum da Diáspora. Acontece até a próxima quinta-feira (14) e faz parte das comemorações mês da consciência negra.

Na programação cultural, estão previstas apresentações do Grupo de Capoeira Zambiacongo e do Grupo Cultural Boi Janeiro. O evento também abriga a exposição itinerante A Senda, do artista plástico Erasmo Santos, e Artistas de Pojuca: Rafart Silva e Luciano Novais (Espaço S2).

A coordenadora do Curso de Gastronomia da Estácio FIB, Seliz Grassini, ressalta a riqueza da programação do II Gongá Cultural. “É uma oportunidade ímpar para alunos e professores, que poderão participar de oficinas, debates e uma extensa programação que valoriza a cultura e as tradições da Bahia”, diz.

O II Gongá tem como objetivo trazer a diversidade cultural para o debate acadêmico. “Trata-se de um resgate da diversidade da cultura baiana, envolvendo a comida enquanto aspecto cultural. O que desejamos é promover o respeito a todas as manifestações culturais, além de fomentar a memória dessa cultura”, afirma a coordenadora do curso de Jornalismo, Antoniella Devanier.

O evento é promovido pelos cursos de Comunicação Social e Gastronomia. Fazem parte da comissão organizadora os professores Renato Nascimento e Henrique Brito e os alunos Carlos Castillo e Danilo Souza.

Despadronizando o cardápio da Copa

Amanhã (13), Márcia Souza (CEAO) participa como convidada da oficina “Despadronizando o cardápio da Copa”, mediada pelos professores e alunos do curso de Gastronomia. A mesa-redonda terá como tema “Acarajé e futebol: qual o lugar da diversidade na Copa do Mundo?”. Vão compor a mesa a coordenadora nacional da Associação das Baianas de Acarajé e Mingaus do Brasil (ABAM), Rita Santos; a mestra em Estudos Étnicos Africanos e autora da dissertação “Acarajé: Tradição e Modernidade“, Florismar Borges; a mestra em Ciências Sociais, Priscila Andreato; a vice-presidente da Câmara de Vereadores de Salvador e presidente da Comissão Especial de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Fabíola Mansur, e o professor Marcos Resende.

Encerramento no CEAO

No encerramento do II Gongá Cultural, as atividades acontecem no Centro de Estudos Afro-Orientais, no Largo 2 de Julho. Às 14 horas, ocorre a mesa-redonda “Comida de Axé”, que terá como participantes o doutor em Estudos Étnicos Africanos, Fábio Lima, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), autor dos livros “Conto do dia 4 de dezembro”, “As quartas-feiras de Xangô: Ritual e Cotidiano” e “Os candomblés da Bahia: tradição e novas tradições”; o professor de Literatura da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Gildeci Leite, autor dos livros “Jorge Amado: Negro de axé”, “As faces da cozinha em Dona Flor e Seus Dois Maridos”, “Jorge Amado: da ancestralidade à representação dos orixás”, dentre outros. Às 17 horas a antropóloga do Instituto do Desenvolvimento da Pesquisa, membro do Centro de Estudos Africanos no EHESS e autora do livro “O candomblé da Bahia”, Emmanuelle Kadya Tall, ministrará uma palestra(Qual o tema da palestra?).

Noite de homenagem ao Mestre Didi

O II Gongá Cultural será encerrado com uma homenagem ao Alipini Mestre Didi, morto em 06 de outubro deste ano. Mestre Didi era filho da Ialorixá “Mãe Senhora” e considerado um dos mais importantes sacerdotes de religiões afro-brasileiras do país. Ele era escritor e artista plástico e, seu trabalho, inspirado nos objetos de culto ligados à tradição nagô, tem repercussão mundial. Participam da homenagem o Otun Algba, do Ilê Axipa, José Félix dos Santos; a Diretora Acadêmica da Estácio FIB, Carmem Bahia; o representante da Comissão Gestora do CEAO, Jeferson Bacelar; o antropólogo do CEAO, Cláudio Pereira, o professor Gildeci Leite e o deputado estadual João Carlos Bacelar.

SERVIÇO

Evento: II Gongá Cultural, até a próxima quinta-feira (14).
Onde: Auditório G4, da Estácio FIB.
Endereço:Rua Xingu, nº 179 - Jardim Atalaia/STIEP.