Imprensa

Estácio FIB realiza II Gongá Cultural
Organizado por alunos e professores do Centro Universitário, em parceria com o CEAO e o Ajeum da Diáspora, evento faz parte das comemorações do mês da consciência negra

No mês da consciência negra os alunos e professores da Estácio FIB realizam, em parceria com o Centro de Estudos Afro Orientais (CEAO) e o Ajeum da Diáspora, o II Gongá Cultural, de 11 a 14 de novembro. Aberto ao público, o evento tem extensa programação, que inclui oficinas de gastronomia, mesas-redondas e apresentações culturais. No encerramento, está prevista uma homenagem ao Alipini Mestre Didi, escritor e artista plástico. Filho da Ialorixá “Mãe Senhora” e considerado um dos mais importantes sacerdotes de religiões afro-brasileiras do país, que morreu em outubro deste ano.

O II Gongá tem como objetivo trazer a diversidade cultural para o debate acadêmico. “Trata-se de um resgate da diversidade da cultura baiana, envolvendo a comida enquanto aspecto cultural. O que desejamos é promover o respeito a todas as manifestações culturais, além de fomentar a memória dessa cultura”, afirma a coordenadora do curso de Jornalismo, Antoniella Devanier. No primeiro dia do evento, a partir das 14 horas, acontece a oficina “Descobrindo novos caminhos”, mediada pela professora Marisa Sarmento, no auditório do campus Gilberto Gil (Stiep).

O evento é promovido pelos cursos de Comunicação Social e Gastronomia. Fazem parte da comissão organizadora os professores Renato Nascimento e Henrique Brito e os alunos Carlos Castillo e Danilo Souza.

Destaques da programação

Às 19 horas, a mesa-redonda mediada pelo professor Renato Nascimento, da Estácio FIB, terá debatedores de peso: a jornalista Heloisa Sampaio, especialista em Gestão da Informação para Multimeios e autora do livro “Bem Comida – Crônicas e Delicias da Bahia”; Cláudio Pereira, doutor em Ciências Sociais e autor de diversos livros, dentre eles Baía de Todos os Santos: Aspectos Humanos e O Negro no Tempostal; o mestre em Direito Público, Alexandre Montanha de Castro Setubal, e Scott Barton, candidato ao doutorado da New York University.

Paralelamente aos debates, ocorrem oficinas e apresentações culturais. A professora Marisa Sarmento vai mediar a oficina Descobrindo Novos Caminhos, para egressos das redes municipal e estadual de ensino da cidade de Pojuca. Na pauta cultural há as performances do Grupo de Teatro Os Ingredientes Cozinha Musical, Grupo Cultural Boi Janeiro, Instalação Via Pietá e exposição de artes plásticas.

Laboratório de Gastronomia

A oficina “Memórias, mudanças e permanências na cozinha baiana”, mediada pelos professores e alunos do curso de Gastronomia da Estácio FIB, terá como convidada Márcia Souza, responsável pelo setor de eventos do Centro de Estudos Afro-Orientais (CEAO). Acontece das 14h30 às 17h, no Laboratório de Gastronomia da instituição. A coordenadora do Curso de Gastronomia da Estácio FIB, Seliz Grassini, ressalta a riqueza da programação do II Gongá Cultural. “Será uma oportunidade ímpar para alunos e professores, que poderão participar de oficinas, debates e uma extensa programação que valoriza a cultura e as tradições da Bahia”, diz.

Das 18h30 às 21h, o destaque é a mesa-redonda “Lyais Idana: mulheres na cozinha”, que contará com a participação da empreendedora Joana Angélica, idealizadora do restaurante Ajeum da Diáspora; da chef de cozinha africana do restaurante Zanzibar, Ana Célia; da cozinheira Alaíde da Conceição, proprietária do restaurante Alaíde do Feijão e das baianas de acarajé Rosangela Amorim (Abará da Ró), Cida de Nanã, Mãe Val e Maria Clara. O Grupo de Capoeira Zambiacongo e o Grupo Cultural Boi Janeiro comandam a programação cultural.

Despadronizando o cardápio da Copa

No dia 13 de novembro, Márcia Souza (CEAO) participa novamente como convidada da oficina “Despadronizando o cardápio da Copa”, mediada pelos professores e alunos do curso de Gastronomia. A mesa-redonda terá como tema “Acarajé e futebol: qual o lugar da diversidade na Copa do Mundo?”. Vão compor a mesa a coordenadora nacional da Associação das Baianas de Acarajé e Mingaus do Brasil (ABAM), Rita Santos; a mestra em Estudos Étnicos Africanos e autora da dissertação “Acarajé: Tradição e Modernidade“, Florismar Borges; a mestra em Ciências Sociais, Priscila Andreato; a vice-presidente da Câmara de Vereadores de Salvador e presidente da Comissão Especial de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Fabíola Mansur, e o professor Marcos Resende.


Encerramento no CEAO

No encerramento do II Gongá Cultural, as atividades acontecem no Centro de Estudos Afro-Orientais, no Largo 2 de Julho. Às 14 horas, ocorre a mesa-redonda “Comida de Axé”, que terá como participantes o doutor em Estudos Étnicos Africanos, Fábio Lima, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), autor dos livros “Conto do dia 4 de dezembro”, “As quartas-feiras de Xangô: Ritual e Cotidiano” e “Os candomblés da Bahia: tradição e novas tradições”; o professor de Literatura da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Gildeci Leite, autor dos livros “Jorge Amado: Negro de axé”, “As faces da cozinha em Dona Flor e Seus Dois Maridos”, “Jorge Amado: da ancestralidade à representação dos orixás”, dentre outros. Às 17 horas a antropóloga do Instituto do Desenvolvimento da Pesquisa, membro do Centro de Estudos Africanos no EHESS e autora do livro “O candomblé da Bahia”, Emmanuelle Kadya Tall, ministrará uma palestra(Qual o tema da palestra?).

Noite de homenagem ao Mestre Didi

O II Gongá Cultural será encerrado com uma homenagem ao Alipini Mestre Didi, morto em 06 de outubro deste ano. Mestre Didi era filho da Ialorixá “Mãe Senhora” e considerado um dos mais importantes sacerdotes de religiões afro-brasileiras do país. Ele era escritor e artista plástico e, seu trabalho, inspirado nos objetos de culto ligados à tradição nagô, tem repercussão mundial. Participam da homenagem o Otun Algba, do Ilê Axipa, José Félix dos Santos; a Diretora Acadêmica da Estácio FIB, Carmem Bahia; o representante da Comissão Gestora do CEAO, Jeferson Bacelar; o antropólogo do CEAO, Cláudio Pereira, o professor Gildeci Leite e o deputado estadual João Carlos Bacelar.