Imprensa

Consumo de chocolate deve ser moderado na Páscoa
Segundo a nutricionista da Estácio FIB, Ana Lúcia Guimarães, ingestão diária de chocolate não deve ultrapassar 30 gramas
 
Com a proximidade da Páscoa, o consumo e a oferta de chocolate aumentam consideravelmente. São ovos, barras e outras variedades de guloseimas que devem ser apreciados com moderação, caso contrário podem oferecer danos à saúde.

A professora do curso de Nutrição da Estácio FIB, Ana Lúcia Guimarães, explica que o consumo de chocolate não deve ultrapassar 30 gramas por dia, em função dos altos teores de açúcar e gordura. No caso de crianças, a nutricionista faz um alerta aos pais: “O consumo de chocolate por bebês de dois anos ou menos não deve ser cogitado”.

O consumo excessivo de chocolate pode causar problemas como obesidade, câncer, diabetes, enxaquecas e diarreia. Por outro lado, alguns especialistas apontam que se ingerido em pequenas quantidades pode fazer bem ao coração.

Cada tipo de chocolate possui propriedades diferentes. O chocolate branco, por exemplo, possui uma elevada quantidade de gordura em sua composição. Já os chocolates lights, em contrapartida, têm menos gordura e, consequentemente, menos calorias. Há também opções de chocolates à base de soja, para pessoas com intolerância à lactose ou glúten.

No caso do chocolate diet, que é indicado para diabéticos, é necessário ter cuidado. Embora não possua açúcar, ele é contraindicado para pessoas com restrição calórica ou dieta, pois seu teor de gordura é maior para garantir a consistência do chocolate.

Ao contrário do ao leite e branco, o chocolate amargo é o tipo mais benéfico, se consumido com moderação. Para ser considerado amargo, sua composição deve conter 55% ou mais de cacau, ingrediente que, entre outras coisas, pode ajudar a manter o peso, combater o envelhecimento e melhorar o humor.

Para quem quiser fugir dos chocolates industrializados, uma opção é recorrer aos ovos caseiros. “Se produzidos com cacau e em condições higiênico-sanitárias satisfatórias, não há problemas, desde que consumidos com moderação”, garante a professora da Estácio FIB, Ana Lúcia.