Imprensa


Nutricionista alerta para os cuidados com as dietas milagrosas
A mestra em Medicina e Saúde e professora do curso de Nutrição do Centro Universitário Estácio da Bahia Ramona Baqueiro afirma que, além de ineficientes, as dietas restritivas são prejudiciais à saúde
 
O culto ao corpo e a supervalorização da beleza tem levado diversas pessoas, especialmente as mulheres, a recorrerem a dietas milagrosas em busca de um padrão corporal considerado perfeito. A mestra em Medicina e Saúde e professora do curso de Nutrição do Centro Universitário Estácio da Bahia Ramona Baqueiro faz alguns alertas sobre os cuidados que devem ser tomados com as dietas que prometem rápida perda de peso.
 
De acordo com a professora, em uma busca desenfreada pelo emagrecimento as pessoas passam a seguir comportamentos alimentares distorcidos e limitados, nos quais diversos itens essenciais para uma boa nutrição são retirados do cardápio. “O uso de shakes, sopas, laxantes, diuréticos, chás combinados e dietas restritivas não são recomendados para promover a perda de peso”, afirma.
 
Ramona diz que sintomas como tontura, fraqueza, vertigem, dificuldade de concentração e perda de memória são comuns em pessoas que aderem às restrições no cardápio. Para ela, esses sintomas mostram como a falta de alguns nutrientes pode ser prejudicial ao organismo. Além disso, esses comportamentos restritivos estão relacionados inclusive aos transtornos alimentares e aos distúrbios de imagem, como a obesidade, a anorexia e a bulimia.
 
A especialista também chama atenção para a ineficiência das dietas milagrosas. “Embora algumas dietas restritivas permitam a rápida perda de peso, esse efeito não perdura por muito tempo. Após o período de restrição há uma tendência à compensação, ou seja, o indivíduo volta à sua alimentação habitual, incluindo alimentos pouco saudáveis, com o consumo em maior quantidade, recuperando os quilos perdidos ou até engordando mais que no período anterior à dieta. Portanto essa conduta pode ser muito frustrante, além de comprometer a saúde a longo prazo”, ressalta Ramona.
 
A professora ainda adverte sobre o uso de chás combinados e shakes como substitutos de refeições. “Ervas não devem ser utilizadas combinadas, pois não se sabe o efeito conjunto delas no organismo. Além disso, algumas ervas são tóxicas ao fígado, podendo levar a uma grave lesão deste órgão. Todo chá tem dose específica, não devendo ultrapassar três xícaras por dia. Algumas ervas apresentam efeitos colaterais e por isso, devem ser prescritos por um profissional especializado”, alerta. 
 
“Sobre os shakes, estes geralmente apresentam baixas calorias e são utilizados como substitutos de grandes refeições, como almoço e jantar. Neste caso há de se considerar o empobrecimento do significado da refeição, que não é apenas o momento de adquirir nutriente, mas também de sociabilidade e prazer”, complementa Ramona. 
 
Nesse contexto, a professora afirma que a forma mais adequada de promover a perda de peso é a reeducação alimentar, na qual não exista proibição alimentar e, sim, a moderação nas quantidades de cada grupo específico de alimentos. “A reeducação alimentar é recomendada tanto para aqueles que querem perder peso quanto para aqueles que desejam manter o peso e ganhar mais qualidade de vida”, destaca.
 
Ramona ressalta que, junto com a reeducação alimentar, outros hábitos saudáveis como abstinência ao tabagismo, adequação do consumo de bebida alcoólica e prática orientada de atividade física devem ser adotados. “Antes de aderir a qualquer dieta, procure um nutricionista. Ele vai adequar sua alimentação à sua rotina, hábitos e necessidades, além de estabelecer uma reeducação alimentar melhorando a sua qualidade de vida”, recomenda.